segunda-feira, 5 de março de 2012

Entrevista com o Cineasta Luiz Rangel que fala sobre o remake do filme “Ódio”

Mais um longa metragem brasileiro, o filme Ódio será gravado em Gramado/RS.O filme é uma releitura do Longa Metragem “Ódio”,  de Carlo Mossy (1977).

O Diretor de Cinema Luiz Rangel é um carioca, da cidade Rio de Janeiro, e radicado no Rio Grande do Sul desde 1999. Começou sua carreira aos 16 anos, fazendo teatro no Rio de Janeiro (Escola de Teatro Martins Pena). Estudou Comunicação Social e com isso trabalhou como radialista, produtor e diretor de vários programas para a TV Fechada do Rio Grande do Sul. Como Diretor de Cinema é recordista em participações no Festival de Cinema de Gramado e também já recebeu diversos prêmios, entre eles o Prêmio de Cinema Gaúcho José Lewgoy oferecido pelo Estado do Rio Grande do Sul. Fundador e Presidente da AGAUVI (Associação Gaúcha do Áudio Visual). E tem mais de 50 filmes (entre curtas e médias). Recentemente ganhou dois prêmios importantes: de melhor direção e melhor atriz (para Cláudia Alencar) no Longa Metragem Réquiem Para Laura Martin. Luiz Rangel já trabalhou com atrizes e atores como Via Negromonte, Claudia Alencar, Luciano Szafir, Carlo Mossy e Mário Frias, e tem trabalhos exibidos internacionalmente.
As gravações estão previstas para a segunda quinzena de julho, em Gramado (Rio Grande do Sul), mas enquanto isso o cineasta estará ministrando workshop sobre o filme no Rio de Janeiro.

Foto Divulgação: Dinarci Borges


Ana Paula Holanda: Do que se trata o filme “Ódio”?
Luiz Rangel: O filme é um remake de um grande sucesso do cinema brasileiro da década de 70, na época produzido, dirigido e atuado por Carlo Mossy. É um filme de drama e policial. O argumento é simples, ele trata da fraqueza humana, do conflito interno, tendo como pano de fundo a violência urbana. A história começa quando um jovem advogado, idealista, defende a tese de que os criminosos são vítimas da sociedade. Porém, tudo muda quando certa noite a casa de sua família é atacada por quatro ex empregados da fazenda onde moram, que torturam e chacinam todos. Após ser violentamente espancado e baleado, o único sobrevivente do massacre é este jovem advogado que, ao se recuperar, resolve mudar radicalmente suas crenças e ideais, saindo em busca de vingança contra cada um dos marginais, os quais tomaram rumos diferentes na vida para fugir do que fizeram.

Ana Paula Holanda: Por que você quis fazer o remake desse filme?
Luiz Rangel: Porque simplesmente ele foi eleito, na década de 70, como um dos 10 mais. Além de, é claro, ter um argumento único, que não faz parte do tipo de literatura empregada no nosso cinema nacional.

Ana Paula Holanda: E da escolha da atriz Alcione Mazzeo como protagonista?
Luiz Rangel: Escolhi por ser uma atriz muito talentosa e eu considero que o filme ganhará muito em agregar o seu talento e sua disposição; sim, pois são pouquíssimas atrizes desta geração, quase nenhuma, que está disposta ao desafio. A maioria acredita que já fez o que tinha que fazer. Já a Alcione não, ela encara tudo como sendo novo e está sempre aberta a uma nova proposta.

Ana Paula Holanda: E qual o papel da Alcione nesse drama?
Luiz Rangel: Ela é uma das protagonistas. Ela é a vitima, uma das vitimas, mas é a que mais sofre. A vingança move toda a trama.

Ana Paula Holanda: Você pretende passar alguma mensagem usando essas qualidades da Alcione?
Luiz Rangel: Além dela (Alcione Mazzeo) estar com um personagem que carrega uma carga emotiva muito forte em suas cenas, confio plenamente que a mensagem será transmitida com toda a emoção que o filme pede. E é claro, algo que é muito prazeroso e enriquecedor, a união de gerações diferentes em cena.

Ana Paula Holanda: Você chega a ter um carinho especial por esse filme, o que ele tem de especial pra você?
Luiz Rangel: Um dos melhores filmes que tive prazer de assistir em minha vida foi "Ódio" de Carlo Mossy, um filme nu e cru que aborda a natureza humana de uma forma nunca antes abordada e que até os dias de hoje ainda não teve nenhuma obra que se igualasse ao seu conteúdo e mensagem.

Ana Paula Holanda: O Carlos Mossy estará com você no remake?
Luiz Rangel: Sim! Escrevi um personagem especialmente para ele e fiquei extremamente emocionado e feliz em saber que ele aprovou. Não imagino nenhum filme de Carlo Mossy sem sua presença e genialidade. Mesmo que a releitura do "Ódio" fosse realizada por outro diretor, certamente não seria um filme completo sem a presença do Mossy. Não só como ator. O Mossy ilumina um set e sempre sugere algo pertinente, de forma muito humilde diante toda sua competência.

Ana Paula Holanda: E de que forma será realizado o "Ódio"?
Luiz RangelCom muita paixão e muita luta. Escolho o elenco pela púpila, pelo amor e entrega total ao cinema e, obviamente, com muito talento. Estamos em uma vibração tão positiva que poderíamos iniciar o filme agora. E embora julho nos pareça bastante distante (estamos no início de março), por outro lado é um curto período para a pré produção, já que se trata de um longa metragem sem nenhum suporte financeiro, sem leis de incentivo e sem patrocínio de empresa privada. Por já realizar há muitos anos cinema em Gramado sempre da mesma forma (independente), já tenho meus colaboradores e amigos. Empresários que nos apoiam com a estrutura como: alimentação, translado, hospedagem, locações. Apesar de sempre termos que gastar do próprio bolso para algumas situações, posso te dizer de coração que o carinho e acolhimento em apoio com produtos e serviços destes empresários-amigos não têm preço. Afirmo, com plena certeza, que se tivesse o vil metal envolvido talvez não fossemos tão bem acolhidos como somos. Como disse, para trabalhar comigo sem que ser por amor ao cinema, a paixão tem que ser transmitida pelo brilho nos olhos. E, infelizmente, apesar de necessário, o dinheiro não compraria o carinho e atenção que nos dispendem.

Ana Paula Holanda

Veja também no site Mundo Mulher: http://www.mundomulher.com.br/?pg=17&sec=167&sub=167&idtexto=13645&keys=Entrevista+com+o+Cineasta+Luiz+Rangel+que+fala+sobre+o+remake+do+filme+AOdioA  

Um comentário:

  1. Gracias Rangel e Renata, pela confiança na minha Pessoa pela oportunidade da escolha dos Papéis oferecida!!! Minha Personagem já faz parte da minha Vida e a trabalho a cada instante, com muita intensidade.
    Sucesso sempre, pois amamos o que fazemos!!!

    ResponderExcluir